ATUALIZAÇÃO: Possíveis orbes, em deslocamento, são fotografados em Florianópolis

ATUALIZAÇÃO: Na minha opinião, tratam-se de dois objetos, um se deslocando horizontal e retilineamente (captou o movimento porque as fotos são de longa exposição 6 e 8 segundos respectivamente e fotos em longa exposição de algo em movimento geram cópias na foto do objeto em movimento, mas neste caso as cópias estão tão próximas que geram esta imagem de algo alongado.). Isso descarta avião, 1º- porque são dois objetos e 2º- porque não apresenta a luz vermelha dos aviões (já que está se deslocando para a esquerda). Os objetos podem ser esferas (é o que mais acredito) e não tratam-se de balões também, já que um balão não faria um movimento tão retilíneo e não deslocaria por um espaço tão grande em apenas 6 segundos. A “abertura” que existe do lado direito da linha luminosa pode ser por causa do clique fotográfico, apesar da câmera estar estar no tripé na hora da foto, o clique fotográfico pode ter gerado uma tremidinha que fez a “linha luminosa” ter aquela abertura do lado direito. Vejam que são duas fotos e em ambas, parece, que houve a tremidinha no início da captura. Conclusão: Para mim, Weslem, trata-se de dois OVNIs, talvez duas esferas, uma se deslocando retilínea e horizontalmente e outra fazendo um movimento diferente, não retilíneo e mudando de direção repentinamente em ângulo muito fechado (tudo isso em apenas 6 segundos)…

MATÉRIA ORIGINAL: Uma moradora fotografa possíveis orbes se deslocando no céu da cidade de Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. Carolina Valença fazia fotos da ponte Hercílio Luz, cartão postal de Floripa, quando registrou os objetos em deslocamento, totalmente por acaso. Os OVNIs não eram vistos a olho nu, eram invisíveis e apenas detectáveis pela câmera, a qual capta frequência infravermelha, faixa do espectro invisível ao olho humano. As fotos foram feitas em longa exposição e dentro do mesmo minuto, a primeira foto foi feita com 6 segundos de exposição e a segunda com 8. Desta forma foi possível registrar o caminho percorrido pelos orbes dentro destes espaços de tempo. Os objetos parecem estar relativamente próximos à câmera. Pela movimentação registrada nas fotos os objetos estavam em planos diferentes no início de cada registro e mudaram para um mesmo plano no decorrer do movimento ou então se fundiram, algo que também já foi relatado por testemunhas em outros casos. Acompanhem o depoimento de Carolina Valença e vejam as imagens:

“Na noite do último dia 23/12/2013 resolvi fazer alguns registros fotográficos da ponte Hercílio Luz que fica na cidade de Florianópolis. Coloquei um tripé na janela do quarto do meu filho e comecei a fazer os registros usando uma câmera digital de modelo LUMIX  Panasonic 12.1. Utilizei zoom e modo noturno. Durante a captura das imagens não houve movimentação da câmera. Logo após fazer umas 8 fotos, as conferi no visor da máquina e me deparei com duas fotos com rastros luminosos. Baixei no computador para ampliar as imagens e fiquei muito surpresa com o que vi  pois, a olho nu não havia nenhum objeto no céu durante os registros. Os objetos estavam em rota de aviões, já que o aeroporto de Florianópolis fica à esquerda das fotos. Divulguei as fotos em uma página do Facebook que aborda Ufologia, com o objetivo de encontrar alguma explicação para o ocorrido.”

PS: Os tempos de exposição, marca da câmera e etc foram todos conferidos nos exifs das imagens e tudo bate com o depoimento da testemunha.

Atenção: Saibam mais sobre OVNIs invisíveis, NESTE LINK.

Foto de Carolina Valença

 

Foto de Carolina Valença

Curta nossa Fan page no Facebook

Inscreva-se no nosso canal no Youtube 🙂

Weslem

Fonte: Carolina Valença

Links ETs & ETc…:

Se você visitar nossa PÁGINA PRINCIPAL corre o risco de não querer sair do site. Pense bem antes de clicar.
[box type=”alert”] ATENÇÃO PARA AS REGRAS DOS COMENTÁRIOS – Não serão permitidas ofensas e palavras de baixo calão ou “gracinhas” ofensivas ao tema ou as pessoas. Antes de criticar as postagens do Blog, leia nossa política. Você pode criticar as postagens à vontade, desde que seja com educação. Caso contrário, seu comentário não será publicado e havendo persistência, será banido dos comentários. Obrigado pela compreensão.[/box]

Weslem

Weslem Andrade é formado em Artes plásticas pela Universidade Federal de Uberlândia. Virou pesquisador de Ufologia em 2001, após ter o que julga ser o seu principal avistamento ufológico. Tal experiência e engajamento em pesquisas, culminou com a criação do blog ETs & ETc..., em agosto de 2010.

6 thoughts on “ATUALIZAÇÃO: Possíveis orbes, em deslocamento, são fotografados em Florianópolis

  • 29/12/2013 em 14:02
    Permalink

    Sei la, ms se perceberem na primeira foto todos os reflexos das luzes dos postes da cidade tem um risco luminoso, o mesmo risco esta na traseira do orbe, a pessoa q tirou esta foto parecia estar em movimento, creio que por este motivo as fotos estão tão tremidas, então fica dificil de dar credibilidade ja que um vagalume passando na frente da camera sairia tremido e impossibilitando sua identificação.

    Resposta
    • 29/12/2013 em 16:57
      Permalink

      Olá! Eu que tirei as fotos e posso garantir que não houve movimentação da câmera durante a captura das imagens já que a mesma estava fixa em um tripé…

      Resposta
      • 07/05/2014 em 14:04
        Permalink

        Oi Carolina. Meu nome é Carlos. Eu morei muitos anos na Arno Hoeschel. Hoje moro em Alfredo Wagner, num sítio à 10km da cidade. Sei o que você viu, e esta movimentação é normal por aqui, onde longe das luzes da cidade, e em noites de céu limpo e estrelado, conseguimos ver a movimentação destes objetos. Cada qual tem a sua peculiaridade. Uns mais rápidos, outros lentos, uns com pouca luz, outros parecendo faróis de caminhão, em diversas direções. O melhor é sempre de madrugada, (e não sei porque, mas no inverno o “trânsito”, é mais intenso) mas já se tornou algo tão banal para nós, que só quando estamos com insônia, é que vamos para a rua, esperar pelas passagens deles. Igual a este que você fotografou , ainda não vimos, pois estamos acostumados com o formato de ORBES. O fato é que estamos vivenciando uma rota destes objetos em Santa Catarina. O problema é que a maioria das pessoas não prestam atenção, ou tem preguiça de ficar alguma horas, olhando para o céu(principalmente se for de madrugada). E mesmo que vejam alguma coisa, pelo ceticismo arraigado da maioria, vão logo dizer que se trata de avião ou helicóptero, lembrando aquela máxima de que tem pessoas que não sabem diferenciar uma “tomada, de um focinho de porco”. De sua vista privilegiada, sugiro que você, (sempre que possível), deixe a sua câmera ligada, em noites de céu estrelado, ou até mesmo em dias ensolarados, voltado sempre para o fundo azul, pois muitos desses “movimentos” , podem ser captados por câmeras, quando nossos olhos não conseguem enxergar. Tem à ver com a tecnologia de camuflagem deles, (os Ufólogos, sabem explicar isto), e você com certeza irá se deslumbrar. Um grande abraço!.

        Resposta
      • 11/05/2014 em 13:41
        Permalink

        Cara Carolina Valença, não basta que uma camara esteja num tripé para que não haja trepidação.
        Dependendo do tripé pode ou não haver.
        Se o tripé for leve com toda a certeza que a trepidação vai existir, bastando para isso um vento mais forte para afectar a fotografia.
        Para fotos deste tipo, de longa exposição, quanto mais pesados forem os tripés, menor será a trepidação.

        Outro factor que afecta a fotos deste tipo no momento de ser feita é a acção de pressionar o botão.
        Por mais cuidado que tenhamos nessa altura há fortes possibilidades de que a trepidação ocorra. Mesmo sendo imperceptível para nós (e para a nossa sensibilidade) poderá ocorrer.
        Por isso em fotografia, para que esta situação não aconteça, existem dispositivos que se ligam à máquina e que permitem tirar a foto sem tocar na camara. Os dispositivos ou são através de um cabo ligado à máquina e que actual pressionando o botão nesse cabo ou são através de um comando de infravermelhos.

        Por infravermelho:
        http://a248.e.akamai.net/pix.crutchfield.com/ImageHandler/fixedscale/400/300/products/2010/14/280/x280RC6-f.jpeg

        http://kbsupport.cusa.canon.com/system/storage/1/kb/attachments/CanonUSA/TroubleshootingContents/Images/Global/G0100867.gif

        Por cabo (sistema electrónico):
        http://www.canon.com.ph/Portals/0/Products/EOS-Accessories/images/remote-switch-rs-60e3.gif

        http://thumbs3.ebaystatic.com/d/l225/m/mpgE0Q44fwDoVTsEZDAxwzg.jpg

        Por cabo (sistema mecânico):
        http://www.colorfoto.pt/Portals/0/_Imagens%20Produtos/Fotografia/Acess%c3%b3rios%20pC%c3%a2maras/kaiser_6105.jpg

        Outra forma que há para ultrapassar esta situação, mas que não se adequa a todas as fotos que pretendemos fazer é colocar o timer da máquina para fotografar após alguns segundos de carregado o botão para fazer a foto. O tempo de intervalo entre a pressão do botão e a tomada da foto geralmente é suficientes para que não haja trepidação. No entanto, se o tripé for leve pode haver a possibilidade de que o mecanismo de abertura do obturador provoque alguma trepidação.

        Por tudo o que escrevi acima, julgo que além do seu tripé ser algo leve a senhora carregou no botão para a fotografia e o resultado é uma leve trepidação que resultou na imagem obtida.
        Na análise superficial que fiz da foto, o momento da acção de carregar no botão ficou registado num movimento apontado através das setas vermelhas da foto abaixo.
        Depois de carregar no botão (tendo empurrado a máquina para baixo, é feita a foto (momento em que é registado o ponto luminoso mais intenso) seguido de um movimento ascendente (movimento elástico da camara a voltar à sua posição inicial depois de ter sido pressionada para baixo) e sua consequente trepidação, que num objecto em movimento ficará registado como um registo luminoso ondulante.
        Repare que as luzes abaixo assinaladas com as setas não têm registo ondulante pois não estão em movimento.
        Pode-se verificar que ao carregar no botão a máquina baixou e depois levantou, ficando depois a trepidação a fazer o registo ondulado (como o indicado dentro do rectângulo verde da foto abaixo).
        Foto:
        http://i61.photobucket.com/albums/h73/FJCRamos/OVNI/P1080942_zpsbe537d44.jpg

        Srª Carolina Valença, para uma análise mais pormenorizada gostava de lhe perguntar se me pode enviar as imagens originais (os ficheiros sem terem sido alterados por qualquer editor de imagem) para:
        ovnimania@hotmail.com

        Resposta
  • 29/12/2013 em 19:48
    Permalink

    Orbes? Não me parecem, pelo menos o que se sabe a respeito dos mesmos, mas…

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *