alain

Ex Agente de Inteligência Francês Diz: Os OVNIs Vêm de Mundos Paralelos

em abril 16 | em Ciência, Contato Imediato, Depoimentos, Mistério, Notícia, Vídeos | por | com No Comments

Compartilhe com seus amigos terráqueos

Pela primeira vez, o ex-diretor da agência de inteligência estrangeira da República Francesa (DGSE) , Alain Juillet, falou sem tabus sobre um assunto que para muitos ainda tem muita resitência: objetos voadores não identificados. Com sua vasta experiência, ele defende uma abordagem pragmática e uma mente aberta para resolver um mistério importante demais para ser deixado para os crentes dogmáticos e céticos.

Alain Juillet é um dos oradores de alto nível que, entre políticos, cientistas e militares, contribui com seu ponto de vista em um novo documentário intitulado OVNIs: um negócio dos Estados Unidos,  dirigido por Dominique Filhol, que foi lançado recentemente (14 de abril) em o canal A&E. “Existe um termo que se repete cada vez mais frequentemente entre especialistas da área. É a idéia de “inteligência não humana”.

alainEsse termo é interessante porque não rejeita a hipótese extraterrestre, mas inclui outras teorias sobre a natureza do fenômeno ”, resume Filhol, marcado desde a infância por testemunhos espetaculares de parentes que observaram fenômenos inexplicáveis.

As filmagens reforçaram ainda mais suas convicções: “O fenômeno se tornou palpável. Tive a sorte de poder filmar uma reunião dos membros da comissão SIGMA 2 que estuda UFOs rigorosa e cientificamente, ou conhecer o senador Harry Reid e a origem do programa de pesquisa da AATIP do Departamento de Defesa dos EUA. Todas essas entrevistas confirmaram minhas intuições.

A sucessão de testemunhos e análises em OVNIs: uma questão de Estados nos lembra: os OVNIs existem, pelo menos como objeto de estudo, mas sua natureza permanece indescritível: “As hipóteses sobre a natureza desses objetos não se limitam a uma origem. extraterrestre. Mundos paralelos, viajantes do tempo: nada pode ser descartado.

Há também uma corrente ufológica que investiga as ligações entre a consciência e o fenômeno OVNI e esse é um ponto que abordamos no filme ”, continua Filhol. “No caso de encontros próximos, o fenômeno parece interagir com a consciência das testemunhas. Isso também é o que certos pilotos de caça da Marinha dos EUA fazem. Eles observaram esses fenômenos: esses objetos pareciam antecipar as reações dos pilotos, como se pudessem ler suas mentes “, acrescenta.

Como sempre, o tema UFO nos leva um longo caminho. Uma viagem menos perigosa se você estiver bem acompanhado. De qualquer forma, essa é a condenação de Alain Juillet, um ex-agente de inteligência francês que aparece no documentário e de quem compartilhamos uma entrevista abaixo, conduzida pelo portal Paris Match. Na entrevista Você concordou em participar do documentário de Dominique Filhol, UFOs: uma questão de Estado.

É a primeira vez que você fala publicamente sobre OVNIs?

Alain Juillet: Sim. Participei de uma reunião de entusiastas da aeronáutica onde o problema de objetos não identificados foi levantado. Eu estava na sala e respondi algumas perguntas. Mas ele nunca interveio publicamente sobre esse assunto. Foi depois de uma entrevista com o diretor Dominique Filhol que abordamos esta questão.

Ele me fez duas ou três perguntas e disse: “Estou interessado nisso, estou preparando alguma coisa”. Foi assim que aconteceu. Você tinha um interesse particular em OVNIs?

AJ: Sim, mesmo que eu não seja um entusiasta. Por outro lado, sou originalmente um homem de inteligência e, quando vemos coisas inexplicáveis hoje, sabemos que podemos explicá-las amanhã. Só que não temos os elementos para imaginar ou entender o que está acontecendo.

No campo específico dos OVNIs, sem mencionar as pessoas que veem um disco voador pousando em um campo, existem pilotos de caça, astronautas, pessoas que são totalmente confiáveis e relatam observações muito precisas. Não devemos dizer que eles não fazem sentido, apenas reconhecer que existem coisas que nos escapam. É nesse contexto que me interessei por esse problema, porque a primeira coisa que vemos quando estudamos esse fenômeno é que essas máquinas ou essas coisas não funcionam de acordo com as leis da Terra e, em particular, que elas não estão sujeitas à força da gravidade.

Portanto, a pergunta que se coloca é: Algum país desenvolveu um sistema que permite escapar e até viola as leis físicas? Vinte anos atrás, ele teria respondido: “Por que não?” Mas hoje, se um país do mundo tivesse feito essa descoberta, nós a saberíamos. Nenhum progresso dessa magnitude pode ser mantido em segredo. É impossível.

Se um país tivesse essa tecnologia, já teria sido usada abertamente …

AJ: De uma forma ou de outra, haveria vazamentos, uma indiscrição dos cientistas trabalhando nisso … E como não houve absolutamente nada, é outra coisa e escapa à dimensão da Terra. Os serviços de inteligência possuem ferramentas adequadas para lidar com questões esquivas como a dos OVNIs, cuja natureza não sabemos e cuja existência permanece questionável?

AJ: Para coletar informações, é necessário desenvolver recursos técnicos e humanos. Um serviço de inteligência só pode investigar OVNIs se houver uma necessidade expressa pelos responsáveis, ou seja, pelas mais altas autoridades estaduais. Se o último considerar que não é um problema prioritário, como geralmente acontece, nada acontece. Sabemos que os americanos lançaram um estudo muito sério com um grande orçamento para tentar entender o problema.

E parece que outras grandes potências, principalmente a Rússia e a China, fizeram o mesmo, sem dúvida pelas mesmas razões: descobrir se há algo por trás do fenômeno OVNI que, tecnicamente falando, pode ser interessante. Aqui podemos derivar outro aspecto que mencionei no documentário: passamos de uma visão de mundo modelada pela física tradicional para outra visão baseada na física quântica, e entendemos esses fenômenos muito melhor através do prisma da física quântica do que com o de física atual.

Em todo o mundo, algumas raras figuras políticas de destaque, como o ex-chefe de gabinete de Clinton e Obama, John Podesta, assumiram uma posição pública em favor de uma maior transparência do governo nos OVNIs. Você acha útil?

AJ: Na competição global desencadeada hoje, especialmente entre a China e os Estados Unidos, é óbvio que uma nova arma que ninguém sabe como pará-la oferece uma vantagem competitiva ao país que a possui. Os russos, por exemplo, desenvolveram um sistema de mísseis terra-ar, o S-400, que assusta a todos porque ninguém pode detê-los, os americanos não mais que o resto.

Os caças preferem evitá-los do que correr o risco de serem abatidos. Os russos também lançaram o míssil hipersônico Avangard, que nenhuma defesa pode parar. Também interessante é este torpedo, desenvolvido pelos russos, cuja cópia teria explodido em Kursk, em 2000, depois de ser bloqueado no tubo de torpedo. Este torpedo se move a uma velocidade incrível, várias centenas de quilômetros por hora, muito mais rápido do que qualquer coisa no mercado. Porque Como esse torpedo cria um ambiente na água que não é mais água, mas o ar, minimiza o atrito. O que une a pesquisa em magneto-hidrodinâmica …

AJ: Exatamente … É uma máquina formidável, porque seu desempenho excede em muito o de todos os outros. Não sou sonhador, mas quando vemos no documentário uma máquina que acelera, freia, atravessa a água, sai dela, tudo isso filmado por aviões de guerra americanos, nos perguntamos. E dizemos para nós mesmos: “Não estamos chegando lá também?” Para retornar à física quântica, ela postula que dois pontos separados no espaço podem reagir ao mesmo tempo.

Parece-nos inconcebível, mas a partir daí podemos ir muito longe, para a possível existência de mundos paralelos. Para comparação, uma mosca com seus olhos facetados pode ver dimensões diferentes das nossas, mesmo que viva em nosso mundo. Talvez, portanto, existam coisas que estão em nosso universo, mas que não podemos ver em tempos normais, porque elas não estão em nosso campo de visão. Mas talvez, ocasionalmente, algo aconteça, e um fenômeno passe pelo nosso campo de percepção antes de desaparecer.

Não estou falando de “homenzinhos verdes” aqui. Prefiro ter a impressão de que estou seguindo a mesma abordagem de certos cientistas e astrônomos que simplesmente dizem que é “algo que nos escapa”. Do ponto de vista militar, portanto, é a investigação que afeta a Defesa, os interesses nacionais … Não há contradição entre a investigação pública exigente do fenômeno OVNI e a necessidade de manter um certo nível de sigilo?

AJ: Eu não acho que o segredo seja realmente útil, a menos que descubramos coisas perturbadoras. Mas observamos que o fenômeno até agora não manifestou uma intenção agressiva. Portanto, não há razão para se preocupar, não estamos em um filme de terror … Também não acho que devemos promover demais tudo isso, mas, ao contrário, tente permanecer científico e perceber que há algo que é indiscutível: certos fatores sugerem que eles estão aqui e podem vir de outros mundos.

Que conclusões podemos tirar da informação que temos? Nenhuma Temos apenas uma certa quantidade de pistas que nos permitem especular sem ter nada com certeza. Pode-se arriscar uma comparação talvez casual ao surgimento do COVID-19 como um elemento radicalmente novo na vida de bilhões de pessoas. Observamos que as sociedades se adaptam e se integram com calma a esse evento, apesar da ameaça. O mesmo não aconteceria quando se admitisse que o fenômeno OVNI não provém do nosso mundo?

AJ: Absolutamente. Eu acho que as pessoas se adaptam muito bem. Se amanhã de manhã tivermos a confirmação de que os OVNIs vêm de um mundo paralelo ao nosso, todos dirão “bem, aqui estão eles, há um mundo paralelo”. No dia em que dizemos, em alguns anos, todos terão aceitado como um fenômeno trivial. O que você acha do trabalho do GEIPAN, que no CNES trabalha muito coletando informações sobre fenômenos aéreos não identificados?

AJ: O pessoal da inteligência dirá a todos que o primeiro trabalho é coletar informações. Primeiro, você deve coletar tudo o que pode coletar, e eles fazem isso muito, muito bem. Então você deve selecionar nesta coleção o que parece realmente sério, e eles também.

Depois disso, em relação à própria análise desses elementos sérios, são os especialistas e pesquisadores de alto nível que devem refletir sobre isso. Apesar de seu trabalho, o GEIPAN parece pouco solicitado por investigações públicas ou privadas …

AJ: Nós somos o país de Descartes, em essência cartesiano, o país de padrões, princípios, regras … Os americanos, por outro lado, aprenderam a pensar “fora da caixa”.

Eu acho que isso será feito na França no dia em que as pessoas não tiverem mais medo de serem ridículas. Se descobrirmos que os Estados Unidos ou a China não estão apenas dedicando estudos importantes a esse tópico, mas também que cientistas de alto nível geraram reflexões valiosas, nossos pesquisadores não terão mais medo de serem levados à loucura.

Fonte: Paris Match  e MysteryPlanet.com.ar

Compartilhe com seus amigos terráqueos
Pin It

Comentários no Facebook

« »

Registro de Domínios e Hospedagem de sites 30 dias gratis SempiHost

Scroll to top
ChatClick here to chat!+
Newsletter Powered By : XYZScripts.com
UA-36226169-1