ruínas africa

Descoberta cidade Anunnaki de 200.000 anos de idade???

em agosto 4 | em Arqueologia, Arquitetura, Ciência, Mistério, Notícia | por | com 11 Comments

Compartilhe com seus amigos terráqueos
As ruínas estudadas  por Tellinger são compostas de milhares de estruturas espalhadas por uma grande área.

As ruínas estudadas por Tellinger são compostas de milhares de estruturas espalhadas por uma grande área.

Um estudo aprofundado de um sítio arqueológico na África do Sul, poderia colocar em risco tudo o que aprendemos com a história até agora…

Arqueólogos e historiadores sempre defenderam que a civilização mais antiga que já existiu na face da terra, foi o povo sumério. Aproximadamente 4.000 anos antes de Cristo. Mas um estudo aprofundado de um sítio arqueológico na África do Sul, pode pôr em perigo a história como a conhecemos.

Graças ao pesquisador Sul Africano Michael Tellinger, e seu parceiro, Johan Heine, descobriu-se que as ruínas de uma civilização desconhecida ainda primitiva poderia ser muito mais velha do que a princípio se imaginou.

As estimativas são expostas pelo arqueólogo, seria uma grande cidade, com uma área de cerca de 35.000 quilômetros quadrados, com idade estimada entre 160.000 a 200.000 anos.

O local teria sido muito rico em minas de ouro, o qual assume que seria uma antiga cidade mineira. Recursos que mantêm uma coisa em comum com a história contada pelas tábuas sumérias. Na verdade, o famoso Zecharia Sitchin, traduziu uma delas, e lá é descrito que pessoas que vieram do céu, os Anunnaki, fundaram uma grande cidade, o território hoje ocupado pela África do Sul, a fim de trabalhar na mineração de ouro.

“Eles tiveram que construir uma proteção de ouro para proteger sua atmosfera, a qual estava em perigo. A ciência oficial sempre especulou sobre o que é dito nas tábuas sumérias e agora uma grande cidade velha é encontrada justo no local descrito pela mesma, diz Tellinger.

Tudo isso é uma reminiscência da cidade de Troya, considerada uma lenda por séculos, descrita por Homero, até o dia em que o arqueólogo alemão Heirich Schliemann descobriu que a cidade tinha realmente existido.

“É hora da ciência se livrar de sua arrogância e cegueira e se engajar em mais pesquisas sobre legado deixado para nós, porque é aí que reside a nossa verdadeira história”, insiste o arqueólogo sul-Africano.

Outros restos de construções em forma circulares, também foram descobertas em um lugar onde surgem menhires, que seguem uma linha muito precisa, alinhados com o nascer e o pôr do sol“, diz Tellinger.

“Esta formação é conhecida como o” Calendário de Adão . Em uma análise mais detalhada, três pedras de pé que parecem estar alinhadas com o padrão seguido pelas três estrelas que formam o cinturão de Orion, e graças a isso, podemos determinar a datação do sítio. Mas há um aspecto que gostaria de destacar nessas construções, a semelhança com outros sítios antigos, encontrados na Sardenha. Estranha coincidência?

Tellinger discorre em seu estudo de ruínas antigas no extremo sul da África, que seriam associadas a uma civilização alienígena perdida. Em sua opinião, esta cidade foi construída mais de 200.000 anos atrás, quando os Anunnaki vieram extrair ouro na região.

As ruínas que Tellinger estudou, com Johan Heine, são compostas de milhares de estruturas de pedra espalhadas por uma grande área. As estruturas apresentam uma extrema antiguidade, para os seus níveis de erosão e de desenvolvimento da patina NDB, que é produzida pela sequência de migração para a superfície dos vários componentes da rocha. O mais conhecido é a patina de minúsculas partículas de vidro, formadas em calcário pela migração de sais de cálcio a partir do interior e do exterior da pedra, e, em seguida, através da formação de calcita na superfície.

Caber recordar que os Anunnakis, em vão, tentaram usar a genética humana para criar seus filhos“, diz Tellinger, referindo-se ao trabalho de Zacharia Sitchin. “Por meio das ruínas, você pode ver algumas estruturas hexagonais, aninhadas umas dentro das outras, parecendo favos de mel que poderiam ter servido como recipientes para clonagem.Ele também sugere que “muitas das estruturas de pedra que contêm quartzo, foram utilizadas como sistema de energia para estas grandes colônias.”


Ao estudar fotografias aéreas da área, Tellinger determinou que havia três grandes cidades de cerca de 100 quilômetros de diâmetro. Um dos quais incluiria o “Grande Zimbabwe“, que é um conjunto de ruínas de uma antiga cidade no sul da África, localizado a dez quilômetros ao sul da cidade de Masvingo, no sul do Zimbabwe. Uma vez, eles estavam no centro de uma vasta área conhecida como “Monomotapa” ou “Munhumutapa” um império que abrange os territórios da actual Zimbabwe, que teve o seu nome da cidade, e “Moçambique Zimbabwe“, que vem de Ziimba Remabwe“, que são palavras de Shona, dialeto ChiKaranga, que significa “grande casa de pedra.”

O local é também o berço do Zimbabwe moderno, onde o famoso pássaro Zimbabwe, o símbolo nacional de mesmo nome, foi descoberto.” Entre as ruínas, você pode ver uma das primeiras pirâmides esculpidas em pedra, detalhes incluem o símbolo Ankh. Usado por milhares de anos antes dos egípcios“, diz Tellinger.

O calendário descreve um círculo semelhante a outro famoso formação rochosa, o círculo de Stonehenge. Mas é precedido por milhares de anos. E isso, como a grande Zimbabwe, está construída exatamente no mesmo meridiano em que a Grande Pirâmide de Gizé está localizada. Em termos de sua forma, diz-se que este metalito, alinhado com o solstício de inverno, se assemelha a a cabeça de falcão Horus e as aves presentes nas ruínas do Grande Zimbabwe.

A idade do calendário de Mpumalanga, seria datada de cerca de 75.000 anos, o que tornaria o círculo de pedra mais antigo do mundo e, portanto, o Calendário Adão, seria a mais antiga estrutura conhecida feita por mãos humanas. Além das Pirâmides de Gizé. A descoberta remonta a 2003, quando um piloto voando sobre a área em busca do avião de um colega que havia caído.

Alguns estudiosos duvidam que essas estruturas foram construídas por mãos humanas“, diz ele. Apesar de um grande grupo de geólogos, arqueólogos e astrólogos, pensarem que poderia ser algo ainda mais surpreendente. Alguns pensam que a cidade já existia na época em que os seres humanos começaram a pintar as cavernas e começaram a sua migração da Europa para a Ásia, cerca de 60 ou 70 mil anos atrás.

Os monólitos estão localizados com uma ordenação geométrica precisa e perfeitamente alinhados com os diferentes pontos cardeais“, diz Tellinger. “Há 200 mil pedras que testemunham aqueles que foram extrair ouro por lá, por milhares de anos. Embora seja possível encontrar restos de habitações, fortalezas, templos, sistemas de irrigação, terraços agrícolas e estradas antigas. Visíveis a centenas de quilômetros, a estrutura de uma ponte velha conecta quase todas as ruínas. Esta colônia, foi a casa de uma antiga civilização avançada, que incluiu a construção de estradas.

Mais conhecido por seus livros Espécies escravas dos Deuses: A História Secreta dos Anunnaki e sua missão na Terra” e Templos dos Deuses africanos”títulos que são produto de mais de 25 anos de pesquisa sobre a obra de Zacharia Sitchin, arqueólogo explica que “Calendário de Adãoé o marco mais importante entre estas ruínas. Uma vez que, devido à sua idade “, representaria a primeira prova, realmente tangível, de que o Sul da África é realmente o berço da humanidade.”

Fonte: !Ay va! Magazine

Compartilhe com seus amigos terráqueos
Pin It

Comentários no Facebook

« »

Registro de Domínios e Hospedagem de Sites Hostmidia

Scroll to top
ChatClick here to chat!+
Newsletter Powered By : XYZScripts.com
UA-36226169-1